VALBER BENEVIDES
Cearense de Itapipoca, pioneiro na charge animada sistemática, onde estreou como chargista na tv Jangadeiro em 1990
GILSON ALCANTARA
Artista plástico,designer e museógrafo. Gilson Alcantara supera, efetivamente, o universo das artes plásticas, para desenvolver poemas visuais.
DONIZETTI GARCIA
Além do mosaico, compõe obras com elementos como ácido, metais, tinta acrílica ou eletrostática.
VERA PIMENTA
Artista plástica. Sua obra tem uma característica própria que se torna marca registrada. A pincelada.
ANA K AUN
Artista plástica autodidata. Pela audácia com que mistura cores frias e fortes, sua obra respira, tem profundidade.

Notícias

22 - Maio - 2018

Morreu Robert Indiana, o artista pop que espalhou LOVE pelo mundo

Agenda cultural: Notícias

by Webmaster

O seu nome estará para sempre associado às pinturas, serigrafias e esculturas com a palavra LOVE, "amor" em inglês, que…
20 - Maio - 2018

Artista plástico faz obra de protesto para distribuir a deputados contra proposta que flexibiliza Lei…

Agenda cultural: Notícias

by Webmaster

O artista plástico Siron Franco resolveu distribuir para deputados, senadores e ministros 700 pratos de papelão com o tradicional símbolo…
16 - Maio - 2018

Artista plástico contemporâneo revitaliza fachada de edifício em Curitiba com painel gigante

Agenda cultural: Notícias

by Webmaster

Para comemorar 30 anos de práticas artísticas, o artista visual Luiz Gustavo Vidal desenvolveu o projeto de revitalização da fachada…

Almandrade

Monumentos públicos: Abandono e depredação

A “inutilidade da arte” é essencial para a vida. A vivência com as artes fortalece…

Carlos Perktold

Três mineiros universais

Inimá de Paula viveu intensamente os últimos setenta anos de sua vida e do século…

João Carlos

Perícia judicial sobre obras de arte

Os juízes de direito, para julgarem corretamente as demandas judiciais, fundamentalmente, necessitam conhecer todos os…

Enock Sacramento

A poética de Poteiro

Esta é certamente uma das maiores, senão a maior exposição de obras de Antônio Poteiro…

Philip Hallawell

O papel da arte na educação

Tradicionalmente, a arte educação tem ocupado um lugar secundário na educação formal. No entanto, descobertas…

Ricardo Viveiros

Rubens Ianelli - Linha, Cor, Luz: Sonhos!

Primeiro ele desenha o esboço, depois cria o quadro. Ou, então, o que mais gosta:…

Waldo Bravo

Apropriações e Aglutinações de Anita Colli

É sempre gratificante ver quando uma artista mergulha de coração aberto no território experimental das…

Thaís Thomaz Bovo

Um pouco sobre a Arte Religiosa de Anita Malfatti

Depois do episódio polêmico envolvendo a sua exposição de 1917, Anita Malfatti marcou presença na…

Edvard Munch1863-1944

Edvard Munch foi o maior pintor e artista gráfico da Noruega, expoente do Simbolismo e precursor dos expressionistas. As trágicas perdas da mãe e da irmã em sua infância deram um tom de morbidez à maior parte de sua obra. Inicialmente, guiou-se pelo Impressionismo, mas as viagens a Paris aproximaram-no dos imbolistas. Seu nome ficou conhecido em 1892, quando sua obra foi exposta em Berlim, causando escândalo e polêmica. Fixando-se na Alemanha, iniciou seu Friso da Vida, um conjunto de obras em que expressa sua visão de mundo, marcada pelo impacto do amor, da morte, da sexualidade e da solidão. Excesso de trabalho, álcool e desgaste emocional levaram Munch a um colapso nervoso em 1908. Então voltou a isolar-se na Noruega, dedicando seus últimos anos a murais públicos e a estudos de operários.

 Uma Mente Atormentada

Primeira contribuição da Escandinávia à pintura moderna, a obra de Munch materializa os fantasmas do homem do século XX — solidão, angústia, desespero — e marca o início do Expressionismo.

Respeitada família de classe média, os Munch viviam em Loten, uma pequena comunidade agrícola do sul da Noruega. Descendente de clérigos e soldados, o médico Christian Munch, irmão do historiador Peter Andreas Munch, era muito dedicado à esposa e às leituras da Bíblia. Tiveram cinco filhos. Edvard Munch, o segundo deles, nasceu em 12 de dezembro de 1863.

Em 1864, a família mudou-se para a capital, Christiania (que seria rebatizada com o nome Oslo em 1927), onde a tragédia se abateria sobre suas vidas. Edvard tinha 5 anos quando a mãe, aos 33, morreu de tuberculose, e 13 (em 1877) quando sua irmã predileta, Sophie, também morreu, vítima da mesma doença. Tais infortúnios precoces marcaram profundamente o menino e, por toda a sua longa carreira, as imagens do quarto de doentes e do leito de morte repetiram-se constantemente em sua obra.

A dança da vidaA dança da vida

A vida familiar de Munch foi claustrofóbica e opressiva. Doente desde criança, ele ficou confinado ao apartamento por intermináveis períodos de sua juventude, enquanto o fervor religioso do pai, que aumentara com a morte da mãe, levava-o à beira da insanidade — o velho andava horas seguidas de um lado para outro de seu quarto, rezando. Não é de estranhar que Munch escrevesse, mais tarde, sobre sua infância: “Doença, loucura e morte foram os anjos negros que ficavam de vigília sobre meu berço e me acompanharam pela vida afora”.

Felizmente, sua tia, Karen Bjolstada, incumbiu-se da direção da família, o que resultou numa influência estabilizadora. Pintora amadora, ela estimulava as crianças Munch a desenhar, e Edvard fazia cópias das ilustrações dos contos de Grimm. No início da década de 1880, ele tentava vender seu trabalho a revistas.

Nessa época já se havia decidido pela arte como carreira. Seus estudos de engenharia na Escola Técnica duraram menos de um ano — dali passou, em 1881, para a Escola Estadual de Artes e Ofícios. Seu primeiro supervisor foi Julius Middelthun, mas a influência dominante de seu primeiro aprendizado foi o pintor naturalista Christian Krohg. Em 1882 Munch juntou-se a seis outros artistas e alugou um estúdio onde Krohg dava aulas, informalmente.

Através dele, Munch aproximou-se dos escritores e pintores boêmios que estavam à testa da rebelião artística da Noruega. Liderado por Krohg e pelo novelista Hans Jaeger, o grupo denunciava a moral burguesa, reivindicando liberdades sexual e artística radicais. Na literatura, idolatravam o francês Emile Zola e na pintura defendiam o abandono do Realismo. Um comentador definiu-os como “aquele acampamento cigano de Christiania, meio debochado e acometido de pobreza”.

A Noruega, porém, era um ambiente provinciano demais para o talento de Munch. Em 1883, freqüentou a academia ao ar livre de Frits Thaulow, cunhado de Gauguin, e através dele obteve recursos para passar três semanas em Paris — dois anos mais tarde. A visita bastou-lhe para ver a maioria dos últimos trabalhos de Monet e dos impressionistas.

Algumas influências parisienses podem ser detectadas já na primeira obra-prima de Munch, A Criança Enferma (página 42), de 1885/86. Contudo, a expressão das feições e as formas simplificadas criavam um impacto emocional mais poderoso que a maior parte das pinturas impressionistas, aproximando o estilo do pintor dos mestres pós-impressionistas como Edouard Vuillard e James Ensor.

UMA BOLSA DE ESTUDOS EM PARIS

Quatro anos depois, Munch conseguiu recursos materiais para poder permanecer estudando na França. Com o êxito de sua primeira mostra individual, o governo norueguês concedeu-lhe uma bolsa de estudos sob a condição de que encontrasse um professor aceitável. Em Paris, preencheu essa exigência freqüentando as aulas de modelo vivo de Léon Bonnat.

Aos 27 anos, ele trabalhava com diligência nessas aulas, mas desinteressou-se logo pela abordagem convencional e acadêmica de seu mestre. Bonnat, por sua vez, ficou impressionado com o desenho de Munch, mas discordava do modo altamente subjetivo como utilizava a cor. Os dois homens romperam depois de um desentendimento acerca dos tons com que devia ser pintada uma parede do estúdio.

O gritoO grito

Apesar desse incidente, a estada de três anos em Paris foi crucial para sua formação artística. A morte do pai, em 1889, cortou os últimos laços familiares e permitiu que se dedicasse de corpo e alma à inquieta atividade do mundo artístico. Foi influenciado em particular pelo nascente movimento simbolista, que o levou a atribuir significado às cores, a simplificar as formas e a adotar temas alegóricos “decadentistas”, como o da mulher fatal.

Um episódio atraiu as atenções mundiais para Munch. Em 1892, a União dos Artistas Berlinenses convidou-o a participar de uma exposição na Alemanha. Suas pinturas causaram polêmica. Uma semana depois da inauguração, o comitê determinou que ele retirasse seus “borrões” da mostra. Mas alguns membros da União contestaram e, liderados por Max Liebermann, reuniram-se para formar a Secessão de Berlim.

Munch ficou encantado pelo furor que provocara e tomou rápidas providências para expor seus trabalhos em Düsseldorf e em Colônia. Seguiu-se uma extensa viagem por cidades alemãs e escandinavas. Nessas mostras, ele ganhava com sua percentagem nos ingressos o mesmo que com a venda de suas pinturas. Animado pela súbita notoriedade, fixou-se em Berlim e logo agregou-se a uma nova roda de artistas, que incluía o dramaturgo August Strindberg e o novelista polonês Stanislaw Przybyszewski, e que costumava reunir-se na taberna Zum Schwarzen Ferkel (“O Porquinho Preto”).

Na atmosfera excitante dos encontros do grupo, Munch planejava seu Friso da Vida: ambicioso projeto que pretendia reunir uma série de pinturas com temas afins e apresentá-las em conjunto, para que o todo criasse uma espécie de efeito sinfônico. O tema de ligação seria “a poesia da vida, do amor e da morte” visto pelo espelho distorcido das experiências pessoais de Munch. A série incluiu muitas de suas mais importantes pinturas, como O Grito, A Dança da Vida e Ciúme.

O SIGNIFICADO DO FRISO

O Friso expressava a visão de mundo do artista, marcada pelos contrastes entre a inocência, a sensualidade angustiada e a morte, geralmente encarnadas em figuras de mulher. O quadro A Dança da Vida, por exemplo, parte do tema do baile para traduzir a tensão entre os sexos, numa perspectiva angustiada que sugere ansiedade e solidão. Emoldurando a obra, duas mulheres solitárias simbolizam, respectivamente, a esperança do amor e a desilusão.

São as relações do próprio Munch com mulheres que o fazem refletir, nos quadros, essa imagem perturbada. Embora fosse alto e de boa aparência, ele mostrava-se sempre cauteloso para com o sexo oposto: é possível que a perda da mãe e da irmã o tenha deixado inseguro no relacionamento com mulheres — ele freqüentemente retratava o amor e a morte juntos. A história familiar de tuberculose e insanidade mental convenceu-o de que não seria prudente casar-se. Temia também que o casamento interferisse em seu trabalho. Seu primeiro romance, com a voluntariosa esposa de um médico oficial, obcecou-o durante anos, ao passo que em Berlim sentiu-se atraído pela mulher do novelista Przybyszewski, Dagny, retratando-a como sedutora em Ciúme. Sua última e desastrosa ligação, com Tulla Larsen, terminou num tiro: ela arrancou-lhe a junta de um dos dedos.

AnsiedadeAnsiedade

Embora residindo na Alemanha, Munch viajava constantemente, morando numa sucessão de pensões. Não era um homem saudável: a falta de dinheiro e a vida nômade o exauriam.

Ainda assim, ele viveu anos produtivos. Numa visita a Paris, conheceu Paul Gauguin e seus seguidores e, na Galeria Art Nouveau, de Bing, viu a célebre exposição de xilogravuras japonesas — um grande acontecimento na época. Também em Paris, interessou-se por novas técnicas de impressão, orientado por um renomado artista gráfico, August Clot.

ENCOMENDAS IMPORTANTES

As principais encomendas de Munch na virada do século vieram de seu amigo, o dr. Max Linde. Além de um soberbo retrato dos quatro filhos do médico, o artista completou para ele um fólio com estampas.

Em 1906/7 recebeu várias outras encomendas importantes de Max Reinhardt, como um friso para seu novo teatro Kammerspiele e o desenho dos cenários de Os Fantasmas e Hedda Gabler, de Ibsen. Nessa ocasião, morando no teatro, pintava durante o dia e bebia à noite. Mantinha-se afastado de outras pessoas, e um colega admitiu que “ele permanecia, ao mesmo tempo, um estranho e um mistério para nós”.

O tiro que lhe foi desfechado por Tulla Larsen, mais o excesso de álcool, o cansaço e a depressão começaram, aos poucos, a dobrá-lo. Munch tornou-se obcecado por sentimentos de perseguição, agravados pela crítica negativa que seus conterrâneos faziam à sua arte. Finalmente, em 1908, ao fim de uma bebedeira de três dias, sofreu um colapso nervoso. Foi internado na clínica de Daniel Jacobson, em Copenhague, onde permaneceu por oito meses em tratamento psicoterápico.

Munch sabia que sua arte atormentada estimulava-lhe as neuroses, mas preferiu ignorar o fato. “Não me livraria de minha doença”, escreveu ele, “pois devo a ela muito de minha arte.” Agora, contudo, queria recuperar-se. Assim, abandonou as imagens obsessivas e neuróticas do passado. Dali em diante iria retratar o que via, e não suas emoções.

Além disso, decidiu parar com sua vida nômade. Antes passava apenas os verões na Noruega, em Asgardstrand. Agora, fixara-se no vilarejo costeiro de Kragero.

Ironicamente, o fim da fase mais criativa de Munch coincidiu com um mais sólido reconhecimento de seu talento. Em 1908, foi nomeado Cavaleiro da Ordem de São Olavo e, em 1911, venceu a concorrência para decorar o Salão Nobre da Universidade de Oslo. Ali instalou um novo Friso da Vida, mas retratou forças universais — O Sol, A História, A Alma Mater — em vez dos movimentos interiores da alma.

PROJETOS FINAIS

Munch tinha planos de pintar outros murais públicos. Nutria a idéia de desenhar um friso com o tema dos operários e da indústria. Expôs desenhos preliminares no refeitório da Fábrica de Chocolates Freia em 1922, mas o projeto jamais foi executado. Quis também decorar a nova Prefeitura de Oslo, cuja construção se estendeu até 1933, mas começou a sofrer de uma doença nos olhos que o impediu de pintar.

Operários voltando para casaOperários voltando para casa

Passou seus últimos anos isolado em sua propriedade em Ekely. Ali vivia uma vida austera, cercado por suas obras, que chamava de “filhos” mas que tratava com negligência, espalhando-as pelo chão e pendurando-as nas árvores do jardim para secarem.

Com a ascensão do nazismo, sua arte foi rotulada de degenerada e banida dos museus alemães. Em dezembro de 1943 contraiu uma bronquite fatal, depois que uma bomba explodiu as janelas de sua casa. Morreu em 23 de janeiro de 1944. No generoso testamento, legou seu acervo completo de gravuras e pinturas — cerca de 20 000 no total — à cidade de Oslo.


Curiosidades

28 - Maio - 2018

Museu tem mostra com mais de 5 mil dedais na Hungria

Agenda cultural: Curiosidades

by Webmaster

Um museu na Hungria abriu uma exposição com mais de 5 mil dedais pertencentes à…
20 - Maio - 2018

Artista plástica retrata cenas do cotidiano em obras que podem ter 3 milímetros

Agenda cultural: Curiosidades

by Webmaster

Flor na ponta de um lápis tem três milímetros e é uma das menores obras…
10 - Outubro - 2016

Do seguro ao armazenamento, como transportar 138 obras de Picasso

Agenda cultural: Curiosidades

by Fonte: O GLOBO

RIO – Quem visitou a Caixa Cultural nos últimos dias certamente se encantou com as…
21 - Setembro - 2016

A delicada arte dos afrescos volta a se espalhar pelo Rio

Agenda cultural: Curiosidades

by Fonte: O GLOBO

Habilidade. O artista plástico Rafael Bteshe pinta afrescos na igreja de Bonsucesso: trabalho raro na…
16 - Setembro - 2016

Van Gogh sofreu de psicose por meses antes de morrer, dizem especialistas

Agenda cultural: Curiosidades

by Fonte: O GLOBO

Um dos muitos autorretratos produzidos por Van Gogh - Reprodução Grupo de médicos e historiadores…
14 - Setembro - 2016

Animação feita em pinturas que contará vida de Van Gogh será finalizada em outubro

Agenda cultural: Curiosidades

by Fonte: Hoje em dia

Considerado um dos artistas mais influentes, Van Gogh morreu aos 37 anos após dar um…
05 - Setembro - 2016

Especialistas explicam o que define o valor de uma obra

Agenda cultural: Curiosidades

by Fonte: A TRIBUNA

'Também faço!’ É a reação comum diante de uma tela famosa Retrato do Dr. Gachet…
29 - Agosto - 2016

A piscina na arte

Agenda cultural: Curiosidades

by Webmaster

Diversos pintores, diretores de cinema e fotógrafos já fizeram trabalhos sobre piscinas. Na arte, elas…
19 - Agosto - 2016

Como Almodóvar esconde pinturas famosas nos seus filmes

Agenda cultural: Curiosidades

by Fonte: O OBSERVADOR

Jorge Luengo revelou os segredos do cinema de Almodóvar, que afinal estão bem à vista…

Agenda cultural

Acervo em Transformação - Comodato B3 Masp

Agenda cultural: Exposições

O acervo do Masp cresceu. A partir desta quinta-feira (14), estarão disponíveis ao público 25 novas obras de artistas brasileiros. Os trabalhos, datados desde meados de 1800 até 1980, são parte das 66 obras cedidas pela B3, dona da Bolsa de Valores de São Paulo, em sistema de comodato. Isso significa que, pelos próximos 30 anos, o museu estará responsável pelas obras, podendo expô-las e emprestá-las para outras instituições culturais do Brasil e do mundo.É a primeira vez que o Masp incorpora em seu acervo, por exemplo, obras de Lygia Clark (1920-1988) e Ione Saldanha (1921-2001). São elas: “Caranguejo", escultura de alumínio de Clark, e “Bambu", acrílica sobre bambu de Saldanha. Entre as novidades, também há uma obra em papel…

Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964

Agenda cultural: Exposições

Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964 contradiz a imagem do Brasil como país pacífico e oferece um olhar sobre a história nacional que colabora na compreensão da atual crise política. Curadoria de Heloisa Espada. Em cartaz no IMS Paulista de 8 de maio a 29 de julho de 2018. Com um panorama de imagens de guerras civis, revoltas e outros episódios de confronto envolvendo o Estado brasileiro, Conflitos aborda o papel das imagens fotográficas nesses eventos, seu uso político e suas formas de circulação. São trabalhos de autores conhecidos, como Juan Gutierrez e Flávio de Barros, e de inúmeros anônimos, amadores ou profissionais, nos mais diversos suportes, montando um painel heterogêneo sobre as práticas fotográficas no Brasil. VISITAÇÃOEntrada…

Novos Retratos

Agenda cultural: Exposições

Fernando Carpaneda: “Novos Retratos”Abertura Sábado 23 de Junho na MF Gallery em Nova Iorque.Após a noite de abertura, a exposição ficará aberta até o dia 29 de julho. A exposição Fernando Carpaneda "Novos Retratos" mostra uma série de pinturas e desenhos que retratam a beleza e a sensualidade de homens e mulheres. O trabalho busca provocar debates e questionamentos sobre a igualdade, no sentido de valorizar o ser humano. Deixando de lado a inibição, em cenas que retratam sexo, gênero e relacionamentos, a abordagem "na sua cara" do artista serve para inspirar o observador a aceitar a diversidade da sexualidade humana. Carpaneda se inspira no elemento urbano e usa a linguagem da rua junto com suas próprias experiências. Mendigos, pop…

Artigos recentes

Picasso, sua mãe e a tela cubista

Quando terminou a ‘Guernica’, o gênio chamou a mãe que estava de visita em Paris.…

Regiane Martinez uma artista talentosa, criativa e dedicada

Nascida no ano de 1966, em São Paulo. Estudou Pedagogia na FAI, se especializando em…

Dupla ajuda quem quer investir em arte sem cair em armadilhas

Plataforma Artmotiv, de Christiane Laclau e Marcelo Rocha, auxilia a compra de obras e ainda…

Talento e planejamento: conheça itens que norteiam a carreira de um artista plástico

Em filmes é lindo. A cena de um artista plástico que realiza a grande obra…

Semana de arte moderna em 1922

A partir da exposição de Arte Moderna em 1917 de Anita Malfatti, foi semeada em…

Marchands = Vendedores de sonhos por Donizetti Garcia

O artista visual nunca foi bom em discussão de questões comerciais, principalmente quando o negócio…

Arte feita como música

Morreu na noite de quarta, aos 84 anos, o pintor e gravurista Mário Gruber Nos…

OPINIÃO MÁRIO GRUBER (1927-2011)

OPINIÃO MÁRIO GRUBER (1927-2011) Nem sempre compreendido, artista foi fiel a suas ideias Gruber pode…

Biografias dos artistas clássicos

Antoine Watteau

1684 - 1721 Antoine Watteau nasceu em 10 de outubro de 1684, em Valenciennes, centro…

Johannes Vermeer

1632 - 1675 Vermeer teria realmente existido? Esta questão persistiu durante muito tempo, devido à…

Frans Hals

1580 - 1666 “Um dos maiores retratistas da história da pintura, o holandês Frans Hals…

Francisco de Goya

1746 - 1828 Francisco de Goya foi o maior pintor espanhol do século XVIII. Nascido…

John Constable

1776 -1837 A paisagem foi o gênero predileto de John Constable e aquele em que…

Biografias dos artistas modernos

Gustav Klimt

1862-1918O mais célebre pintor vienense de seu tempo, Gustav Klimt foi um aluno brilhante e…

Edvard Munch

1863-1944 Edvard Munch foi o maior pintor e artista gráfico da Noruega, expoente do Simbolismo…

Wassily Kandinsky

1866-1944 Kandinsky não foi só um dos primeiros pintores abstratos, mas um dos artistas mais…

Edward Hopper

1882 - 1967 Nascido em uma pequena cidade de classe média banhada pelo rio Hudson,…

Joan Miró

1893 - 1983 Miró foi um dos artistas mais versáteis e influentes do século XX.…