Lista de Tags

Pedro Alexandrino

  • José Ferraz de Almeida Júnior

    1850 - 1899

    José Ferraz de Almeida Júnior (Itu SP 1850 - Piracicaba SP 1899) ingressa na Academia Imperial de Belas Artes, em 1869, onde tem aulas de desenho com Jules Le Chevrel e de pintura com Victor Meirelles.

     

     Conclui estudos em 1874, não concorre ao prêmio viagem e retorna a Itu, sua cidade natal. Abre ateliê em 1875 e atua como retratista e professor de desenho. Em visita à cidade, D. Pedro II impressiona-se com seu trabalho e concede-lhe uma bolsa de estudo para a Europa. Matricula-se na École National Supérieure des Beaux-Arts de Paris, França, entre 1876 e 1882, tornando-se aluno de Alexandre Cabanel.

     

     Regressa para o Brasil em 1882 e expõe na Aiba as obras produzidas em Paris. Em 1883 instala ateliê em São Paulo. No ano de 1885, o pintor é agraciado com o título de Cavaleiro da Ordem da Rosa pelo governo imperial. Em 1886, Victor Meirelles o convida para ocupar sua vaga na Academia como professor de pintura histórica, mas ele prefere permanecer em São Paulo.

     Entre seus alunos, destaca-se Pedro Alexandrino. 

  • Pedro Alexandrino Borges

    1856 - 1942

    Pintor conhecido pela temática da natureza morta. Com onze anos começou a trabalhar com o decorador francês Claude Paul Barandier na decoração da Catedral de Campinas e durante sua carreira com outros nomes da arquitetura e decoração da época, decorando casas particulares e igrejas.

     Iniciou seus estudos com o pintor José Ferraz de Almeida Júnior aos vinte e sete anos. Recebeu pensão do Governo do Estado de São Paulo em 1887 indo estudar no Rio de Janeiro, na Academia Imperial de Belas Artes, tendo como mestres José Maria Medeiros (Desenho) e João Zeferino da Costa (Pintura). Retornou a São Paulo sem ter concluído o curso na Academia; voltou a estudar e trabalhar com Almeida Júnior.

     

     Em 1894 participou da Exposição Geral de Belas Artes no Rio de Janeiro, onde foi premiado. Nesse ano abriu ateliê na Rua Lavapés em São Paulo. Expôs em 1895 juntamente com Almeida Júnior, no ateliê deste na Rua da Glória em São Paulo. Neste ano participou da Exposição Geral de Belas Artes no Rio de Janeiro e foi novamente premiado.

     Foi professor de Desenho do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Com bolsa do Governo do Estado de São Paulo foi à França para completar seus estudos. Dentre seus mestres estão: Renè Chrètien, Vollon e Monroy. Participou dos salões de Paris de 1889 a 1903. Regressou ao Brasil em 1905 quando abriu um ateliê na Rua Sete de Abril em São Paulo. Nesse ano também realizou exposição individual no Liceu de Artes e Ofícios.

     Foram seus discípulos: Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Aldo Bonadei, Renèe Lefèvre e Alice Gonçalves, entre outros.

     Pintor conhecido pela temática da natureza morta. Com onze anos começou a trabalhar com o decorador francês Claude Paul Barandier na decoração da Catedral de Campinas e durante sua carreira com outros nomes da arquitetura e decoração da época, decorando casas particulares e igrejas.

     Iniciou seus estudos com o pintor José Ferraz de Almeida Júnior aos vinte e sete anos. Recebeu pensão do Governo do Estado de São Paulo em 1887 indo estudar no Rio de Janeiro, na Academia Imperial de Belas Artes, tendo como mestres José Maria Medeiros (Desenho) e João Zeferino da Costa (Pintura). Retornou a São Paulo sem ter concluído o curso na Academia; voltou a estudar e trabalhar com Almeida Júnior.

     Em 1894 participou da Exposição Geral de Belas Artes no Rio de Janeiro, onde foi premiado. Nesse ano abriu ateliê na Rua Lavapés em São Paulo. Expôs em 1895 juntamente com Almeida Júnior, no ateliê deste na Rua da Glória em São Paulo. Neste ano participou da Exposição Geral de Belas Artes no Rio de Janeiro e foi novamente premiado.

     Foi professor de Desenho do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Com bolsa do Governo do Estado de São Paulo foi à França para completar seus estudos. Dentre seus mestres estão: Renè Chrètien, Vollon e Monroy. Participou dos salões de Paris de 1889 a 1903. Regressou ao Brasil em 1905 quando abriu um ateliê na Rua Sete de Abril em São Paulo. Nesse ano também realizou exposição individual no Liceu de Artes e Ofícios.

     Foram seus discípulos: Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Aldo Bonadei, Renèe Lefèvre e Alice Gonçalves, entre outros.