investimento

  • Dupla ajuda quem quer investir em arte sem cair em armadilhas

    artmotiv 0b2b5Plataforma Artmotiv, de Christiane Laclau e Marcelo Rocha, auxilia a compra de obras e ainda ensina sobre arte contemporânea.

    Christiane Laclau e Marcelo Rocha se conheceram no curso de arte contemporânea do Parque Lage. Ele era o professor e ela, a aluna. A afinidade logo apareceu e os dois decidiram unir forças e lançar a Artmotiv, uma plataforma especializada em aquisição de obras para pessoas que desejam investir e para colecionadores.

    — O mundo da arte tem as suas armações. É bom ter uma orientação para não cair nelas — avisa Marcelo, que é formado em Artes Plásticas e Filosofia. — Criamos as nossas apostas, sabemos onde buscar obras valiosas, estamos sempre aprofundando e renovando o nosso conhecimento sobre quem está produzindo arte contemporânea.

    Christiane, que antes de trabalhar com arte, atuava no mundo da arquitetura e decoração, gosta de frisar o papel mais profundo de uma obra. Escolher um trabalho de arte não é como decidir o que fica bem na parede da sua sala.

    — Muitas vezes, a pessoa compra tecido, sofá e arte no mesmo pacote. Existe quase um kit decoração, em que você vê as peças de um artista se repetindo em vários projetos — comenta ela. — Claro que visitamos o lugar onde o cliente deseja colocar a sua peça e vamos em busca de algo que fique bem ali, mas não pode ser apenas uma questão estética.

    Entre os novos (uns nem tanto assim) nomes em que eles apostam atualmente estão Celina Portela, Alan Fontes, Marcelo Jácome, Paulo Vivacqua, Cadu e Eduardo Berliner.

    — Certamente são assinaturas que valem ser adquiridas — conta Christiane, que usa o seu olhar vindo do rol do décor para ajudar a instalar a peça em sua nova casa. — Nossos clientes não são do tipo que compram obras para deixar guardadas em galpões. São pessoas que estão muitas vezes adquirindo a sua peça mais valiosa. — explica.

    Além de ajudar a comprar, a dupla ainda leva grupos para feiras de artes, viagens a lugares como Inhotim, visitas aos ateliês...

    — Arte não é só mercado. É também reflexão. E mais: não é verdade que a arte é algo relacionado a um gosto pessoal, acredito que arte se aprende — defende Marcelo, que além de dar aulas que juntam arte e filosofia, é o responsável pela curadoria da elogiada coleção Guilherme Magalhães Pinto Gonçalves, que reúne peças de Mira Schendel, Antonio Dias, Adriana Varejão, Joseph Kosuth, Michal Rovner e os Chapman Brothers.

    Durante a ArtRio, eles estão com agenda marcada para levar clientes interessados em começarem ou ampliarem suas coleções. Mas, avisam, estão abertos a novos interessados. Os detalhes para contato estão no site www.artmotiv.org.

    — Criamos um tour diferente para cada cliente, de acordo com o perfil. Assim, montamos um mix de possibilidades de compra bem pessoal — explica Christiane.