Waldo Bravo

O principal objetivo dos cursos de arte deveria ser a formação profissional do artista, no sentido de ajudá-lo a desenvolver as técnicas e linguagens necessárias e adequadas para produzir a sua obra pessoal, criando um estilo próprio com segurança e convicção.

Entretanto, não é o que verifica-se nos cursos por . A qualidade das propostas e programas da grande maioria desses cursos deixam muito a desejar.

A grande maioria dos ateliês particulares são frequentados por pessoas que apreciam o trabalho do artista-professor. Entretanto, o resultado final dessa relação costuma gerar obras que são a cara do professor. Aí, o aluno sem perceber, aprende a fazer cópias do estilo criado pelo professor, e não a fazer o desejado trabalho pessoal.

Os cursos de arte não podem ficar a mercê daquilo que o aluno acha que deve saber, e sim, devem ensinar o conjunto de informações necessárias (praticas e teóricas) para formar um artista com chances de sucesso no mercado.

Já pensou num médico na faculdade escolhendo somente as matérias fáceis e gostosas para estudar, e deixando de lado as difíceis? Já pensou no futuro desse médico?.

Têm outros cursos piores, onde os principais assuntos abordados se resumem a discutir se as flores pintadas vão combinar com a cortina e o tapete da sala; tudo isso com o aval do professor, o qual, até põe a mão dele nos quadros dos alunos para terminá-los. Aqui a arte séria passa longe. Esses alunos, somente estão interessados em passatempo e brincadeiras decorativas, não em arte.

Também não se iluda com os cursos nos museus e instituições e com aulas ministradas por artistas conhecidos. De modo geral, exceto raras exceções, esses professores são apenas ótimos artistas porém, sem experiência educacional, sem didática nem programa, resultando em aulas livres, dispersas, sem propostas e sem conteúdo claro.

As aulas individualizadas são fundamentais para o bom aproveitamento do aluno, já que deve ser observado o seu estágio atual e as suas necessidades específicas. Isso lamentavelmente não é possível em turmas numerosas, onde o acompanhamento e a orientação individual ficam de lado.

Em São Paulo são muitas as opções de cursos de arte, porém as ótimas opções são poucas. Somente uma minoria oferece reais condições para ajudá-lo à atingir as suas metas e objetivos no mundo das artes.

Procure aulas num ateliê comprometido com seu crescimento artístico, que esteja interessado em você e não apenas no seu dinheiro. Um ateliê que consiga ir além das aulas, que o estimule com exposições, que o ajude a expor nos lugares certos e que ofereça a seus artistas uma total retaguarda de orientação profissional. Um ateliê que o ajude de fato a ingressar no mercado de arte.

Antes de escolher lugar para estudar arte, pesquise e compare: as propostas, o programa, o tipo de orientação e acompanhamento (individual ou coletivo), o nível de qualidade dos colegas-artistas e orientador, a infra-estrutura do local das aulas, o conforto, a segurança e finalmente a relação custo - beneficio.

A formação profissional de um artista não pode ser tratada como brincadeira, ela merece propostas educacionais sérias e tratadas com o máximo respeito.

Estudar arte com seriedade é tão importante quanto fazer arte.