Georges Pierre Seurat

1859 - 1891

Georges Pierre Seurat nasceu em 2 de dezembro de 1859 na Rue de Bondy, nº 60, em Paris. O pai, Chrysostome-Antoine Seurat, tinha sido antes oficial de diligências em La Villette. Tinha reunido uma pequena fortuna e levou uma vida solitária como reformado na sua casa de Verão, em Le Raincy, ou numa casa na La Villette. Visitava a família, que morava desde 1862 na Boulevard Magenta, nº 110, apenas uma vez por semana. A mãe, Ernestine Faivre, descendia de uma família abastada da classe média Parisiense. O filho tinha uma relação estreita e afetuosa com ela.

 Durante o tempo da instrução escolar (1869-1876), Seurat é introduzido na pintura pelo seu tio materno, o comerciante de tecidos Paul Haumonté-Faivre; ele também era um pintor amador.

 Entre 1875 e 1877 Seurat freqüenta o Curso de Desenho numa escola estatal noturna, que o escultor Justin Lequien dirigia. Então iniciou uma amizade com Edmond Aman-Jean. Em 1876 estudou a Gramática das Artes do Desenho de Charles Blanc.

 Em fevereiro de 1878, Seurat é admitido, juntamente com Aman-Jean, na École des Beaux-Arts e ingressou, em 19 de março, na turma de pintura de Henri Lehmann, um aluno de Jean Auguste Dominique Ingres. Ele estuda os antigos mestres no Louvre.

 

 Em 1879 deixa a École des Beaux-Arts e arrenda com Aman-Jean e Ernest Laurent um atelier na Rue de I'Arbalète. A partir de novembro presta um ano de serviço militar em Brest. Reuniu no seu livro em um livro esboços de figuras e também estudos sobre o mar, a praia e os barcos e ocupou-se do livro de David Sutters sobre Os Fenômenos do Olhar.

 Depois de seu regresso de Brest em 8 de novembro de 1880, arrenda um pequeno quarto na Rue de Chabrol, nº 19, perto da casa paterna, onde, até 1886, pinta as suas obras mais significativas.

 No ano de 1881 ele lê a teoria das cores de Ogden N. Rood e estuda os quadros de Eugène Delacroix. Empreende inúmeras viagens aos arredores de Paris juntamente com Aman-Jean.

 Seurat é apresentado pela primeira e única vez, em 1883, com o desenho o Retrato de Aman-Jean, no Salon Oficial. O pintor encontra no mesmo ano Pierre Puvis de Chavannes.

 O primeiro grande quadro de Seurat, Banhistas em Asnières, é recusado pelo Salon em 1884, no entanto, em maio, é mostrado na exposição da 'Société des Artistes Indépendant'. Fora da exposição, Seurat conhece Paul Signac, com o qual em breve se ligará por uma intensa amizade. Em dezembro, são expostos os primeiros estudo de Um Domingo à Tarde na Ilha da Grande Jatte na 'indépendants'.

 Em março de 1885, após Seurat ter trabalho o inverno inteiro em Um Domingo à Tarde na Ilha da Grande Jatte, ele o acaba. O pintor é introduzido por Signac na vanguarda artística e no círculo dos literatos Simbolistas.

 Na oitava e última exposição dos Impressionistas, em 1886, Seurat expõe Um Domingo à Tarde na Ilha da Grande Jatte. O crítico de arte Félix Fénéon comenta a técnica e o estilo de Seurat no quadro com uma crítica extremamente objetiva. Ele conhece através de Fénéon o jovem matemático e teórico de arte Charles Henry, cujas teorias o impressionam bastante.

 A 26 de agosto, é aberta a exposição dos 'indépendants', na qual ele mostra dez obras, entre as quais Um Domingo à Tarde na Ilha da Grande Jatte. É convidado pelo poeta Émile Verhaeren para a próxima exposição do grupo de vanguarda de Bruxelas Les Vingt. Durante o Outono trabalha em Os Modelos no seu novo atelierem Boulevard de Clichy, 128 b.

Em 2 de fevereiro de 1887, Seurat participa, em Bruxelas, com Signac na abertura do Salon dos Les Vingt, onde expõe sete quadros, entre os quais Im Domingo á Tarde na Ilha da Grande Jatte. Iniciado por Signac, forma-se o grupo dos Neo-Impressionistas, no qual os artistas decidem trabalhar a tecnica do pontilhismo.

 

 Como Albert Dubois-Pillet, Charles,Angrand, Maximilien Luce e outros. Em março, Seurat mostra nos Indépendants estudos do seu novo quadro Os Modelos. No verão, trabalha neste quadro e em A Parada no Circo, que é influenciado pela estética de Henry. Em Janeiro de 1888 , Seurat e seus amigos expõem nas salas da Revue Indépendant que é dirigida por Pénéon. O pintor passou o verão em Port-en-Bessin na Normandia, onde produz inúmeros quadros sobre o mar.

 Em fevereiro de 1889, Seurat participou na renovada exposição da reunião dos artistas Les Vingt. Irritado com desavenças internas, começa a afastar-se dos seus amigos. Conhece Madeleine Knobloch e vai morar com ela, a partir de Outubro, num atelier na Passage de I'Élysée-des-Beaux-Arts. Em 16 de Fevereiro de 1890, nasce o filho Pierre George. Nos Independants, Seurat expõe Le Chahut e Jovem a Empoar-se, um retrato de Madeleine Knobloch. Na publicação dirigida por Fénéon Les Hommes d'Aujourd'hui, Jules Christophe dedica um caderno ao pintor.

 Seurat passa os meses de Verão em Gravelines, no Mar do Norte, onde pinta novos quadros sobre o mar. Em 7 de Setembro de 1891, o Salon do grupo Les Vingt abre em Bruxelas com, entre outros, Le Chahut e seis paisagens de Seurat. A 16 de Março, Seurat mostra no Salon des Indépendas. O Circo, ainda inacabado. Seurat Morre a 29 de março de 1891, com uma angina infecciosa. Dois dias depois é enterrado no cemitério parisizense Père Lachaise. Pouco depois morre o seu filho Pierre, com a mesma infecção que vitimou Seurat.

 A 3 de Maio, no atelier de Seurat, o espólio é inventariado por Paul Signac, Macimilien Luce e Félix Féléon. Madeleine Knobloch fica com alguns quadros de herança. Depois de desavenças, ela atasta-se para sempre da familia de Seurat.